Há tempos que não apareço pelas bandas de cá, mas se parei minha locomotiva para escrever essas poucas traçadas linhas, tenham certeza que a notícia é boa. Aliás, maravilhosa!

Lembram que em fevereiro de 2008 (como passou rápido!) promovi neste espaço um pequeno concurso de tradução desafiando meus dois ou três leitores a apresentarem uma tradução aceitável para o Poeminha do Contra de Mário Quintana? Digo aceitável porque até então, para mim, a leveza e espírito brincalhão daquele poema eram algo impossível de traduzir para o inglês. Para surpresa geral, tivemos ótimas traduções e uma vencedora: Sarah Kersley foi coroada com uma ótima versão, que ela batizou de “Wee Protest Poem”.

Para relembrar:

“Todos estes que aí estão

Atravancando o meu caminho,

Eles passarão.

Eu passarinho!”

Mario Quintana

All them folk there over yon

My path they do defy,

They’ll tweet along.

I Tweetie Pie!

Sarah Rebecca Kersley

A grande novidade é que vira e mexe na internet, os posts sobre o concurso foram parar na academia: Telma Franco, mestranda em tradução pela UFSC, chegou ao Talqualmente e teve uma grata surpresa ao encontrar não apenas uma, mas várias versões do Poeminha do Contra, que ela também considerava impossível de ser traduzido mantendo-se fiel ao “espírito brincalhão do desfecho transgressor e inventivo do poema”.

Foi assim que o Primeiro Grande Concurso Talqualmente de Tradução serviu de inspiração para o artigo O paradoxo do passarinho peralta, recentemente publicado na Revista de Letras da Universidade Estadual Paulista. Telma o conclui assim:

“Mario Quintana (1984) se dizia um poeta insatisfeito: “Eu não sou um poeta satisfeito. Eu sempre procuro ir mais adiante. A poesia é o mais adiante.” Mas, sendo ele próprio um poeta de natureza sapeca e graciosa, e lembrando que neste poema o eu lírico é o passarinho, não é demais supor que Quintana ficaria satisfeito de se ver comparado ao peralta Piu-Piu/ Tweety Pie.” (Telma Franco)

Fico muito feliz em saber que o concurso que na verdade não passava de uma brincadeira rendeu a Sarah e a Telma uma boa parceria. Agora em setembro, as duas estarão presentes no “Nas Trilhas da Tradução“, um Encontro Internacional de Tradutores em Ouro Preto, onde Telma apresentará o trabalho. No mais, as duas estão trabalhando juntas em alguns projetos e se tudo der certo, ainda mais bons frutos virão dessa parceria. Aguardem mais boas notícias, e uma entrevista com Sarah, conduzida por Telma, sobre o processo tradutório de Poeminha do Contra, que pretendo publicar ainda essa semana.

Advertisements